SENTIR FOME TE DEIXA MAIS CRIATIVO E ALERTA!!!

Muitas pessoas hoje têm um medo irracional – quase fóbico – de sentir fome.


Você pode aprender tudo aqui

GUIA PARA INICIANTES –

Vivemos em uma sociedade que nos ensina que não é bom ter fome e que a fome pode até ser perigosa. Claro, isso é parcialmente verdade, uma vez que todos precisam comer, e quando você está com fome desencadeia a parte reativa do instinto de sobrevivência (que diz “devo comer para sobreviver”).
PROJETO VERÃO….CLIQUE AQUI

No entanto, quando você sabe manipular a fome corretamente, ela irá atendê-lo de muitas maneiras positivas. 

A fome desencadeará a parte ativa do instinto de sobrevivência – o que o torna mais alerta, ambicioso, competitivo e criativo. 

Ao longo da história, os humanos tiveram que lidar com a fome, e não apenas porque não podiam comprar comida ou sofreram de seca e fome. 

Aprender a lidar com a fome também foi praticado intencionalmente, para tornar as pessoas mais duras e fortes, por isso mais resilientes às dificuldades da vida.

 //pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
A correlação histórica entre fome e liberdade é bastante evidente. Durante o período em que a Bíblia foi escrita e, mais tarde, durante o Império Romano, a fome eo jejum foram considerados parte da vida para pessoas livres, guerreiros e aqueles que vagavam. Os escravos, por outro lado, eram freqüentemente alimentados ao longo do dia. A primeira queixa dos escravos israelitas depois de deixar o Egito era de fome, e eles vagaram no deserto por quarenta anos, adaptando-se e eventualmente.

Apenas a segunda geração daqueles que escaparam do Egito alcançou a Terra Prometida. Eu acredito que a fome desencadeia o Instinto Guerreiro, e se estiver sob controle, isso lhe dará uma “sensação de liberdade”. Também acredito que freqüentemente a alimentação – devido ao medo da fome – pode, criar uma ” mentalidade escrava “, porque quando alimentados continuamente, as pessoas tendem a tornar-se mais letárgicas e submissas – e, portanto, facilmente controladas. Pode-se quase considerar a abundância de alimentos uma forma menos drástica ou óbvia de “opiáceos ou vícios em grande escala”.


FONTE: LIVRO A DIETA DO GUERREIRO

Traduzido e adaptado por Flávia Trajano

Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: